"NOSSA VISÃO: CONHECER A CRISTO CRUCIIFICADO E TORNÁ-LO CONHECIDO, EM TODO LUGAR, POR MEIO DA GRAÇA."

sábado, 19 de outubro de 2019

A HORA DA CRUZ


E aconteceu que, ao se completarem os dias em que devia ele ser assunto ao céu, manifestou, no semblante, a intrépida resolução de ir para Jerusalém. Lucas 9:51.
O Filho eterno tornou-se o Filho encarnado para que pudesse dar Sua vida como o Filho crucificado. Ele se tornou o Filho do Homem para que pudesse morrer pela raça humana. Em nosso texto base vemos que Jesus sabia o que ia acontecer com Ele em Jerusalém. Mas, Ele sabia também que isso era a vontade do Pai. Foi por isso que Ele determinou que ia para Jerusalém e nada iria impedi-lo. Jesus foi muito determinado, e por isso escolheu deliberadamente o caminho da humilhação que leva à cruz, em troca daquilo que o Pai havia proposto a Ele, que era a sua noiva, ou seja, a igreja. Hebreus 12:2b. O qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus.
A hora de Jesus de ir para cruz está aproximando-se, agora está mais próxima. Jesus sabia que a sua hora estava chegando. Que hora terrível seria aquela! Até este tempo Ele não tinha explicado o que queria dizer ao repetir frequentemente as palavras “minha hora”. Muitas vezes Ele predisse Sua morte e ressurreição, mas os discípulos não compreenderam Sua fala. Nesta ocasião, entretanto, Ele falou mais explicitamente em João 12:23b. É chegada a hora de ser glorificado o Filho do Homem.
As horas mais solitárias que alguém já passou sobre a terra foram as horas do Calvário; pois Jesus, além de ser Filho de Deus; era também Homem ao morrer por nós. Agora, está angustiada a minha alma, e que direi eu? Pai, salva-me desta hora? Mas precisamente com este propósito vim para esta hora. João 12:27.
Jesus entrou em agonia no Getsêmani e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra. O único evangelista que relata o fato é um médico, Lucas. E o faz com a precisão de um clínico. O suar sangue, ou “hematidrose”, é um fenômeno raríssimo. É produzido em condições excepcionais: para provocá-lo é necessária uma fraqueza física, acompanhada de um abatimento moral violento causado por uma profunda emoção, por um grande medo. O terror, o susto, a angústia terrível de sentir-se carregando todos os pecados dos homens devem ter esmagado Jesus. Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Isaías 53:5.
Que hora mais dolorosa foi essa para o nosso Senhor. As aflições físicas já tão violentas ao fincar os pregos, em órgãos extremamente sensíveis e delicados, faziam-se ainda mais intensos pelo peso do corpo suspenso pelos pregos, pela forçada imobilidade do paciente, pela intensa febre que sobrevinha, pela ardente sede produzida por esta febre, pelas convulsões e espasmos. Você pode imaginar aquilo que Jesus deve ter provado; uma dor lancinante, agudíssima, que se difundiu pelos dedos, e espalhou-se pelos ombros, atingindo o cérebro. A dor mais insuportável que um homem pode provar. Tudo isso foi por você querido irmão. E tudo foi por amor a todos nós. Romanos 5:8. Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores.
É prova de um amor descomunal, impraticável por uma Pessoa. Quem daria sua própria vida por amar a outra, suportando tamanho sofrimento? Pouco depois o céu escurece, o sol se esconde: de repente a temperatura diminui. Logo serão três da tarde, depois de uma tortura que dura três horas. Todas as suas dores, a sede, as câimbras, a asfixia, o latejar dos nervos medianos, lhe arrancam um lamento: Eloí, Eloí, lamá sabactâni? Que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Marcos 15:34.
As horas do Calvário realmente foram as mais difíceis e solitárias pelas quais ninguém na terra jamais passou; e o Filho do Homem, Jesus Cristo, as sofreu. Por que o Senhor da Glória teve que sofrer de forma tão extrema? Para redimir muitas e muitas pessoas escravizadas! E até hoje são acrescentados diariamente novos justificados à Sua posteridade. Mas tudo começou nessa terrível cruz solitária. Quanto mais se agravava Seu caminho de morte, quanto mais profundamente Jesus entrava em dores e sofrimentos, maior e mais real se tornava o fato de que assim o caminho ao reino dos céus estava sendo aberto para a Humanidade. A cada hora de dores se aproximava a grandiosa vitória de Jesus, a porta da graça se abria cada vez mais. Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si. Isaías 53:11.
A pergunta é: o que podemos Lhe dar? Na verdade, a minha e a sua resposta deveria ser bem clara: recomeçar uma vida de oração intensiva, baseando-nos a partir de agora conscientemente na morte de nosso Redentor! Nunca mais oremos sem antes pensar porque podemos orar; sem que tenhamos completa clareza de porque temos o privilégio de orar; e sem estarmos plenamente convictos de que temos que orar! Pois: Jesus Cristo nos deu, através de Seus sofrimentos inomináveis e de Sua morte na cruz, a filiação pela qual podemos exclamar em oração: “Aba, Pai!”. Amém.


Assista os nossos estudos no YOUTUBE:

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

OS AVENTAIS DE FOLHAS DE ADÃO E EVA


Então, foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais. Gênesis 3:7.
A primeira coisa que nos consta ter sido feita pelo homem foi um avental, logo após Adão e Eva terem pecado, e a consciência lhes ter feito sentir a sua culpa, e a vergonha da sua nudez. Então eles procuraram assim tornarem-se apresentáveis perante Deus, e esperando que os seus sinceros esforços merecessem a Sua aprovação. Mas nenhuma vestimenta que o homem natural providencie para a carne será agradável a Deus. Deus nos fez agradáveis a si em Cristo. Efésios 1:6.  Para louvor e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado.
Ora é precisamente isto que tanta gente se esforça por fazer. Dizem: “Faço o melhor que posso”; “procuro respeitar os mandamentos da lei de Deus”; “procuro seguir o exemplo de Jesus”, etc. Esforços humanos! Esforços religiosos! O homem está sempre disposto a fazer o que quer que seja para evitar confessar a Deus a sua culpa. Tais aventais são muito apreciados entre os homens; porém, aos olhos de Deus são uma abominação. Vós sois os que vos justificais a vós mesmos diante dos homens, mas Deus conhece o vosso coração; pois aquilo que é elevado entre homens é abominação diante de Deus. Lucas 16:15.
Deus havia dado uma ordem ao casal Adão e Eva para que não comessem do fruto da “árvore do conhecimento do bem e do mal”, porque eles morreriam certamente. O salário do pecado é a morte. Eles comeram e não morreram. Alguém aceitável a Deus deveria morrer em lugar deles. Este é o significado da salvação. Mas Deus já tinha dado a promessa do Salvador Substituto. A semente da serpente feriria o calcanhar da semente da mulher. Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar. Gênesis 3:15.
Agora vamos examinar alguns aventais de folhas de figueira com os quais o homem natural está tentando fazer-se aceitável a Deus e preparado para o céu.  O primeiro avental que o homem pressupõe ser salvo é pelo seu caráter. Caráter feito em casa são os dizeres sobre a porta da vida de um homem justo aos seus próprios olhos. Ele tem de admitir fraquezas e falhas, mas não chama pecado de pecado nem admite que ele tem alguma grande necessidade. Ele se vê justo aos seus próprios olhos. Há daqueles que são puros aos próprios olhos e que jamais foram lavados da sua imundícia. Provérbios 30:12.
Neste processo de auto aperfeiçoamento o homem justo aos seus próprios olhos se compara consigo mesmo e fica muito satisfeito; ele também se compara com outro homem e, fica mais do que satisfeito, como o fariseu de Lucas 18:11 O fariseu, posto em pé, orava de si para si mesmo, desta forma: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros, nem ainda como este publicano.
Ele se felicita e até mesmo elogia suas virtudes para Deus. Mas há uma medida que ele esqueceu de tomar. Ele nunca colocou sua vida de justiça própria ao lado da limpa, imaculada, impecável vida do Filho do Homem para ver quão infinitamente distante ele se encontra da justiça que Deus aceita. Deus demanda nada menos do que a absoluta justiça em todos aqueles que são aceitáveis a Ele, e essa é uma exigência que nenhum ser humano poderá cumprir por ele mesmo. Somente no Evangelho é que a justiça de Deus pode ser satisfeita. Visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé. Romanos 1:17.
Essa tendência irrequieta, de querer fazer qualquer coisa, em vez de aceitar o dom gratuito de Deus, baseia-se no fato de que o homem não gosta de se reconhecer culpado, ou seja, de confessar-se desesperadamente arruinado, irremediavelmente perdido, e completamente incapaz de fazer seja o que for que possa contribuir para a sua própria salvação. No entanto, o homem sempre prefere fazer tal tentativa! Porquanto, desconhecendo a justiça de Deus e procurando estabelecer a sua própria, não se sujeitaram à que vem de Deus. Romanos 10:3.
Outro avental que o homem tenta erigir sobre o enorme abismo produzido pelo pecado entre Deus e o homem é o da educação. O clamor é: “Dê a cada um uma educação e então elevem padrões, suscitem ideais e mudem o meio ambiente. Desse modo cria-se um desejo por melhores condições de vida e uma vida melhor acontecerá”. Hoje há homens e mulheres inteligentes proclamando que o que é necessário para a salvação dos indivíduos e das nações é uma educação maciça. Bem diferente do que Jesus disse a Nicodemos, que por sinal era moralista e também mestre em Israel. Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo. João 3:7.
A educação algumas vezes tem até mesmo conduzido a uma deterioração do caráter e conduta. A educação se torna um avental quando o anseio do homem natural é de estudar os ensinamentos de Cristo e aprender Seus princípios de vida para homens como indivíduos e como membros da sociedade para que, através da obediência a Seus ensinamentos se tornem melhores cidadãos. Neste contexto a educação é absolutamente tolice e coisa fútil. Vamos ficar com aquilo que Deus fez em Cristo. Porquanto o que fora impossível à lei, no que estava enferma pela carne, isso fez Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa e no tocante ao pecado; e, com efeito, condenou Deus, na carne, o pecado. Romanos 8:3. Amém.

 Assista os nossos estudos no YOUTUBE:




segunda-feira, 7 de outubro de 2019