"NOSSA VISÃO: CONHECER A CRISTO CRUCIIFICADO E TORNÁ-LO CONHECIDO, EM TODO LUGAR, POR MEIO DA GRAÇA."

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

A DONOSA DOUTRINA DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE

Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui. Lucas 12:15.
Quando, na década de 80, a teologia da prosperidade chegou ao Brasil, ela veio como uma nova tese sobre a fé, prometia o céu aqui para o que tivesse “certo tipo de fé”. As promessas eram as mais mirabolantes: garantia de saúde a toda prova, riqueza, carros maravilhosos, salários altíssimos, posições de liderança, prosperidade ampla, geral e irrestrita. A vida longa dessa doutrina se sustenta pela criatividade, onde os pregadores dessa mensagem estão sempre se reinventando, sempre criando algo que chame a atenção dos incautos e interesseiros por dádivas terrenas. Além disso, é uma sucessão de invencionices: um dia é passar pela porta x, outro é tocar a trombeta y, ou empunhar a espada z, ou cobrir-se do manto x, e, por aí vai. Isso sem contar o sem número de amuletos ungidos, de águas fluidificadas e de bênçãos especiais. Suas igrejas são verdadeiros movimentos de massa, e sempre são dirigidos por “pop stars”. E tem de pagar antes de receber e, se não receber não pode reclamar, porque Deus sabe o que faz e, se não liberou a bênção é porque não recebeu o suficiente ou não encontrou a fé meritória. Muito diferente daquele que nasceu de novo, pois o regenerado é abençoado com toda sorte de bênçãos. Agradeçamos ao Deus e Pai do nosso Senhor Jesus Cristo, pois ele nos tem abençoado por estarmos unidos com Cristo, dando-nos todos os dons espirituais do mundo celestial. Efésios 1:3 (LH).
O próprio Senhor Jesus Cristo não nasceu em berços de ouro e sim numa manjedoura. A manjedoura é um lugar humilde, e exatamente numa manjedoura foi posto o rei dos Judeus quando nasceu; Deus poderia fazer com que se liberasse um lugar na estalagem para José e Maria, mas não o permitiu, no entanto o menino que Maria deu à luz era o Filho do Altíssimo. Jesus, o Filho de Deus, nasceu segundo a carne não só num lugar humilde, mas também de pessoas humildes, de fato o seu Pai o fez nascer segundo a carne numa família pobre e não numa família rica da casa de Davi daquele tempo, coisa que Deus poderia ter feito, mas não o fez porque não era segundo a sua vontade. Jesus mesmo viveu pobre neste mundo porque está escrito: Pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, se fez pobre por amor de vós, para que, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos. 2 Coríntios 8:9. Jesus mesmo viveu pobre neste mundo e de fato não tinha nem sequer um lugar onde reclinar a cabeça. Vocês se lembram de que casa luxuosa era Jesus proprietário sobre a terra? O Rei dos Judeus, quando viveu na terra, não viveu num palácio real, não usou roupas magníficas e nem tampouco viveu em delícias, no entanto era o rei de Israel. Ele teria podido permitir-se a viver como rei, mas renunciou a isso; ele preferiu aniquilar-se a si mesmo e tomar a forma de servo para servir. Antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, Filipenses 2:7.
Os pregadores da prosperidade econômica ousam até dizer que quem é pobre na terra não tem uma grande fé em Deus, mas dela tem muito pouca. Mas o que querem dizer com isto? Que Jesus Cristo, sendo pobre não tinha uma grande fé em Deus? Ou porventura que Jesus era um homem de pouca fé porque não possuía nada na terra? Jesus Cristo teve uma grande fé em Deus e o demonstrou seja com o fazer muitíssimos sinais e prodígios e obras poderosas em nome de seu Pai, seja com o não pedir ofertas para si, e seja com o depor a sua vida por nós. O Justo viveu pela fé, enquanto estes faladores vãos e rebeldes mostram a sua incredulidade porque pedem dinheiro como fazem os mendigos; alguns deles choram mesmo ao pedi-lo, outros maldizem os que não lhes dão nada ou lhes dão pouco; estes são mercadores que põem à venda as suas pregações; cada um deles estabelece a sua própria tarifa. Eis que são estes os ímpios; e, sempre tranqüilos, aumentam suas riquezas. Salmos 73:12. Também os apóstolos eram pobres de fato. Eram pobres materialmente mas enriqueciam a muitos espiritualmente; por meio deles a igreja foi edificada e por meio dos escritos de Paulo que era pobre e não tinha nada, a igreja sobre a face da terra é ainda edificada, enriquecida e consolada. Entretanto, aqueles que pregam a mensagem da prosperidade que demonstram não querer enriquecer os crentes como faziam os apóstolos, mas de querer eles mesmos enriquecer com os bens materiais dos crentes. Estes, em vez de desejar os dons do Espírito Santo desejam o ouro e a prata dos crentes; estes em vez de edificar a casa de Deus querem edificar os seus palácios e construir os seus impérios na terra. Fazem o contrário dos apóstolos; mas não pode ser doutra forma, porque estes, quanto à fé, naufragaram. Ide ver e verificai o tipo de vida que fazem os que pregam esta particular mensagem e vereis com os vossos olhos que a estes bens espirituais e edificar a igreja não importa mesmo nada, digo mesmo nada, porque é gente que ambiciona as coisas da terra. O destino deles será muito triste. O destino deles é a perdição, o deus deles é o ventre, e a glória deles está na sua infâmia, visto que só se preocupam com as coisas terrenas. Filipenses 3:19. Mas, o que isso tudo tem gerado, de verdade? Decepção, fragorosa decepção é tudo o que está sobrando no frigir dos ovos. As bênçãos mirabolantes não vieram porque Deus nunca as prometeu, e Deus não pode ser manipulado. O sucesso e a riqueza que, porventura, vieram foram mais fruto de manobras “espertalhonas”, para dizer o mínimo, do que resultado de fé. Aliás, para muitos foi ficando claro que o que chamavam de fé, nada mais era do que a ganância que cega, o antigo conto do vigário foi substituído pelo conto do pastor. Gente houve que ficou doente, mas, escondeu; perdeu o emprego, mas, mentiu; acreditou ter recebido a cura, encerrou o tratamento médico e morreu. Um bocado de gente tentando salvar as aparências, tentando defender os seus lideres de suas próprias mentiras e deslizes éticos e morais; um mundo marcado pela esquizofrenia. Estou dizendo tudo isto com muito amor, para que vossos olhos sejam abertos e não sejais mais enganados por essas arapucas. Leais são as feridas feitas pelo que ama, porém os beijos de quem odeia são enganosos. Provérbios 27:6.
Mas existe uma prosperidade, sim, para todo aquele que já morreu com Cristo, aquele que foi atraído, incluído, crucificado, morto e ressurreto com Cristo. Quando temos Cristo, nós temos tudo, nEle nós temos tudo plenamente porque o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e à piedade. Jesus Cristo é aquele tesouro escondido no campo que encontramos; Ele é a pedra preciosa que nós encontramos; Ele é o nosso ouro. Jesus Cristo é o dom celestial que Deus nos deu; Ele é o verdadeiro Deus e a vida eterna. Jesus é também a nossa paz e a nossa esperança, portanto quem recebeu a Cristo Jesus possui todas as coisas e mesmo se é pobre segundo o mundo é rico para com Deus. Cristo é o Autor e Consumador da fé, e a fé é um bem precioso. Ouvi, meus amados irmãos. Não escolheu Deus os que para o mundo são pobres, para serem ricos em fé e herdeiros do reino que ele prometeu aos que o amam? Tiago 2:5.
Outra coisa melhor que o ouro e a prata e tantas outras riquezas é ter um bom nome. Os que têm um bom nome e gozam da estima do próximo são os que temem a Deus e observam os seus mandamentos; para estes o bom nome e a estima são coisas mais importantes que as riquezas e o dinheiro, e por isso preferem ter pouco com temor de Deus e com um bom testemunho, que grandes rendas sem equidade e com um mau testemunho. Leiamos Provérbios 22:1 Mais vale o bom nome do que as muitas riquezas; e o ser estimado é melhor do que a prata e o ouro. Ser pobre segundo o mundo não é nenhuma desonra para o cristão. Agora vejamos se é verdade que Deus quer que nós nos tornemos ricos, porque ser pobre constitui uma desonra para os cristãos, como dizem estes pregadores da prosperidade. Se nós pois disséssemos que Deus quer que nós todos nos tornemos ricos isso significaria que nós deveremos querer enriquecer sobre a terra porque esta é a vontade de Deus para conosco. Mas neste caso seria como dizer que Deus quer que nós caiamos em tentação; porque digo isto? Porque a Escritura diz em 1 Timóteo 6:9 Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Quando nascemos de novo devemos considerar que todos os nossos caminhos dependem do Senhor. Um cristão pode tornar-se também rico mantendo a sua integridade, quando Deus o permite e se Deus o permite. Mas isto não nos leva a dizer aos cristãos: “Deus quer que vós enriqueçais materialmente porque esta é a sua vontade para convosco, e se vós não sois ricos não estais na vontade de Deus”, ou: “Se não sois ricos materialmente é porque tendes pouca fé em Deus ou porque não pediste a Deus para sê-lo”. O fato é que esses pregadores com os seus falatórios tendem a fazer sentir um crente que não está contente com as coisas que tem, um miserável que não tem fé em Deus e que não faz a vontade de Deus, e o risco que corre essa pessoa ouvindo as suas palavras é o de deixar de estar contente com as coisas que tem e de querer tornar-se rico, o que significaria sair da vontade de Deus. Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. Hebreus 13:5. Amém.

Um comentário:

Pastor Afonso disse...

Olá reverendo Claudio Morandi , gostei do seu blog e a partir de hoje estarei visitando com mais frequencia, então atualize-o kkkk
.
Sempre acompanho seu programa na rádio 91FM, desfrutado da palavras ali ministradas, seja por vc ou por aquele sr do cd
.
Abs na Paz de Cristo Jesus
.