"NOSSA VISÃO: CONHECER A CRISTO CRUCIIFICADO E TORNÁ-LO CONHECIDO, EM TODO LUGAR, POR MEIO DA GRAÇA."

domingo, 8 de maio de 2011

VENCIDO, JESUS VENCEU!

Porque, de fato, foi crucificado em fraqueza; contudo, vive pelo poder de Deus. Porque nós também somos fracos nele, mas viveremos, com ele, para vós outros pelo poder de Deus. 2 Coríntios 13:4.
O que o apóstolo Paulo na realidade está dizendo, é que Jesus é quem venceu e triunfou, e além do mais o fez pela cruz. Quem viu Jesus na cruz, poderia pensar que foi derrota total. Se houve vitória, foi a do orgulho, prejuízo, inveja, ódio, covardia e brutalidade. Contudo, o cristão afirma que a realidade é o oposto das aparências. O que parece a derrota do bem e do mal, também é, e mais certamente, a derrota do mal pelo bem. Vencido, Jesus estava vencendo. Através da obra singular Deus-homem Cristo Jesus, não é somente o homem que fez a satisfação; foi o próprio Deus que tanto satisfez como foi satisfeito. É por isso que Deus nos aceita unicamente em Cristo e ao mesmo tempo nos torna agradáveis a Ele em Cristo.
Efésios 1:6Para louvor e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado.
Quando nós temos esta visão clara do Senhor, certamente podemos celebrar a vitória que Ele conquistou por cada um de nós. Hoje somos a comunidade da celebração. Irmãos, o propósito da sua autodoação na cruz não foi só salvar indivíduos isoladamente, perpetuando a sua solidão, mas também criar uma nova comunidade cujos membros pertencessem a Ele, amasse uns aos outros e zelosamente proclamassem ao mundo “as virtudes daquele que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”.
1 Pedro 2:9 Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.
Uma vez que fomos incluídos em Cristo, nossa perspectiva e nosso comportamento agora são governados pela cruz. Todos os nossos relacionamentos foram radicalmente transformados pela cruz. A cruz não é apenas um distintivo que nos identifica, e um pendão sob o qual marchamos; é também a bússola que nos dá direção num mundo desorientado. A cruz revoluciona nossa atitude para com Deus, para conosco mesmo, para com as pessoas tanto dentro quanto fora da comunidade cristã, e para com os graves problemas da violência e do sofrimento. Não há perdão neste mundo, a não ser através da cruz de Cristo. Não nos esquecemos que o Senhor da glória morreu em solidão infame, rejeitado por sua própria nação e desertado por seus próprios discípulos; mas, levantado na cruz Ele atraiu a todos os homens a Si mesmo.
João 12:32-33 E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim mesmo. Isto dizia, significando de que gênero de morte estava para morrer.
Com a vitória de Cristo na cruz, não podemos fazer outra coisa senão louvar, celebrar e estarmos jubilosos, porque a comunidade cristã é a comunidade da cruz, pois ela foi trazida à existência pela cruz, e o foco da nossa adoração é o Cordeiro que foi morto, e que agora é glorificado. A vida cristã é um intérmino festival. Nessa festa de celebração somos todos participantes. Por causa desse custoso sacrifício, e por causa das preciosas bênçãos que Ele conquistou para nós, jamais cessaremos até mesmo na eternidade, de honrar e adorar ao Cordeiro.
Salmos 34:1 Bendirei o SENHOR em todo o tempo, o seu louvor estará sempre nos meus lábios.
Que o nosso coração jamais se afaste destas preciosas verdades de Sua Palavra. Cristo se ofereceu a Deus totalmente, para que nos salvasse perfeitamente. A salvação que nosso Senhor realizou na cruz foi plena e por isso não precisa de retoques do homem. Embora o orgulho de nossos corações esteja tão profundamente arraigado e é tão sutilmente insidioso que seria fácil nutrirmos a ideia de que temos algo que oferecer a Deus. Cristo se ofereceu a Deus para ser sacrificado em nosso lugar, e nosso Pai celestial ficou satisfeito com a Sua oferta. Nós só podemos oferecer ao Senhor aquilo que dEle recebemos. Hebreus 13:15 Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu nome. Irmãos, precisamos entender e aprender que o princípio da cruz é que Deus faz as coisas de maneira surpreendente e contraditória. Para inspirar o nosso louvor, Ele usa as vestes engraçadas da fraqueza e da loucura. Para fazer tudo, Ele parte do nada. Para livrar os pecadores, decide ser derrotado por eles. Quando nos acostumamos a essa maneira esquisita de ver as coisas, a salvação se torna clara e maravilhosa. Podemos estar seguros de que somos justos aos olhos de Deus, porque Ele também é esquisito, pois nos vê segundo a morte vicária de Seu Filho. Por esse motivo, possamos ter confiança no amor de Deus quando perdemos toda a confiança em nosso próprio amor. Podemos estar cheios de alegria em Deus, mesmo quando ficamos atribulados, angustiados, perplexos, perseguidos, desamparados e abatidos. Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos. 2 Coríntios 4:8-9. O caminho para o Domingo de Páscoa passa pela Sexta-feira da Paixão. A cruz nos exalta quando nos humilha. Ela nos esvazia de nossa autoconfiança para que possamos ter confiança em Deus. A cruz destrói nossa língua orgulhosa para que possamos ter uma só linguagem: Cristo.
1 Pedro 4:11 Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus; se alguém administrar, administre segundo o poder que Deus dá, para que em tudo Deus seja glorificado por Jesus Cristo, a quem pertence a glória e o poder para todo o sempre. Amém!
Hoje em dia as pessoas almejam ser glorificados pelos homens, e, é por isso que jamais irão conhecer a verdade da cruz, ou seja, a Pessoa e a obra de Cristo. Sabem por quê? É porque eles odeiam a palavra da cruz, pois está mensagem traz sofrimento e a negação ao seu próprio ego. Mas, à luz da cruz, o sofrimento serve a um propósito importante: o cultivo da autonegação. É impossível para um homem não ficar orgulhoso com as suas próprias boas obras, a menos que a experiência do sofrimento e do mal tenha retirado previamente todo o espírito de seu interior e o quebrantado, ensinando que ele não é nada e suas obras não pertencem a ele, mas a Deus. É por isso que a razão se escandaliza com a cruz, mas a fé a abraça com alegria. A descrença que ignora o significado da dor também ignorará a experiência da exaltação. Leiamos
Romanos 8:17 Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados.
A cruz deve mudar a maneira como vemos cada doutrina. Como a cruz pode fazer isso? A cruz nos diz que a revelação do próprio Deus como Criador, Sustentador e Juiz deve ser entendida de uma nova maneira por causa da obra realizada da cruz. Em todas as outras obras de Deus, como a criação e a providência, Deus revela a Si mesmo como alguém infinitamente poderoso. Mas na cruz Ele se mostra aparentemente fraco, contradizendo, assim, toda a nossa maneira de entender. É por isso que só vamos compreender isso por meio da revelação. A cruz nos mostra, ou, a cruz nos revela a maneira como Deus expõe a verdade sobre Si mesmo. A obra da cruz apresenta indiretamente como Deus trabalha. Deus evidencia o seu poder por meio da fraqueza aparente. Irmãos, Deus faz surgir algo a partir do nada. Ele ganha quando perde. A força de Cristo foi revelada na morte de Cristo. Quando estamos fracos é que somos fortes.
2 Coríntios 12:10 Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte.
Quero afirmar algo que para você irá parecer uma loucura: nada é mais poderoso no ministério da Igreja do que a fraqueza. Para a maioria de nós, isso parece confuso. Mas está claro o que Jesus queria dizer. Para encontrar a vida verdadeira, devemos abrir mão de nossa independência e entregar nossas vidas a Ele. Aquele que morreu, mas Ele vive para todo o sempre. E aquele que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da morte e do inferno. Apocalipse 1:18. Glória a Deus!

DEUS TE ABENÇOE ABUNDANTEMENTE EM CRISTO.

4 comentários:

Fernanda, Fabio e Bebella disse...

Amém e isso ninguém pode negar, graças a Deus, um grande abraço!

dermival disse...

Amém Pr fico muito contente,e honrado.em poder conhecer homens de Deus,assim como o sr. minha irmã mora ai em rio preto assim que eu for ai vou procurar a tua igreja. sem mais
Dermival.
dermival-neguinhodejesus.blogspot.com

Wilma Rejane disse...

Graça e paz Pr. Cláudio!

Passei para felicitá-lo pelo abençoado blog, ao tempo em que o convido a participar da promoção no blog UBE, eis o link:

http://www.ubeblogs.net/2011/04/promocao-livro-as-margens-do-quebar.html

O aguardamos!

Deus o abençoe.

Wilma Rejane/ administradora UBE.

JCavalheiro disse...

Excelentes e bons comentários e Estudos Bíblicos! Parabéns Pastor!
Quando todos achavam que Jesus estivesse morto, vencido, e o inferno regozijava-se, Ele, Cristo, ressurgiu vencedor para nunca mais ser humilhado. Voltará em breve em glória para que todo o olho O veja.
MARANATA!!!
Abraços de...

Pr. João Q. Cavalheiro
www.aramasi.blogspot.com